Perfil

Criamos esse espaço para que nossos pacientes, amigos e curiosos por nutrição possam sempre encontrar informações, novidades, receitas e dicas que vão de encontro ao nosso atendimento. Esperamos que vocês curtam!

CONTATO:

Rua Dr. Montaury 1441 sala 402. Caxias do Sul/RS
Tel: (54) 30664554
Whats: (54) 981557525
Email: clarisse@corporesanocaxias.com.br
Site: www.corporesanocaxias.com.br
Face: www.facebook.com/clarisse.zanette
Instagran: @clarissezanette

23 de novembro de 2010

DIETA QUEBRA PEDRA


O Cálculo renal (conhecida como pedra nos rins) é uma doença que já atinge aproximadamente 12% dos homens e 5% das mulheres.
Os cálculos são formados por cristalização de compostos – principalmente cálcio, oxalato e ácido úrico, que quando migram para as vias urinárias, causam dor intensa..
Estudos mostram que a formação de cálculos está diretamente relacionada com a alimentação. Dietas ricas em proteínas, sal, carboidratos e beber pouca água são os principais causadores dos cálculos.
As proteínas principalmente da carne vermelha devem ser reduzidas, pois aumenta a produção de ácido úrico, um dos principais componentes das pedras.
Os sucos cítricos são ótimos aliados contra o cálculo renal. O ácido cítrico dos sucos dão origem a um sal chamado citrato, que impede a formação de cristais.

CHÁ DE QUEBRA-PEDRA FUNCIONA?
Sim, eles evitam a formação de cálculos maiores, mas não quebram as pedras. Para fazer a infusão, ferva 2 c, sopa da erva quebra-pedra em 1 litro de água. Deixe esfriar por 10 minutos. Beber 2 a 3 xícaras ao dia.

ALIMENTAÇÃO DURANTE A CRISE:
Deve-se retirar totalmente a carne vermelha, sal, açúcar e principalmente aumentar a ingestão de água para limpas as vias urinárias.

IMPORTANTE:
De acordo com o pesquisador Brian R. Matlaga, a obesidade de qualquer grau aumenta o risco de litíase renal (pedras nos rins). O estudo publicado este ano no Journal of Urology, mostrou que não importa se o IMC é 30 kg/m2, 40 ou 50 kg/m2, o risco é o mesmo. As causas da litíase em indivíduos obesos ainda não estão completamente esclarecidas, mas provavelmente envolvem fatores metabólicos e endócrinos, associados a hábitos como um maior consumo de sal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário