Perfil

Criamos esse espaço para que nossos pacientes, amigos e curiosos por nutrição possam sempre encontrar informações, novidades, receitas e dicas que vão de encontro ao nosso atendimento. Esperamos que vocês curtam!

CONTATO:

Rua Dr. Montaury 1441 sala 402. Caxias do Sul/RS
Tel: (54) 30664554
Whats: (54) 981557525
Email: clarisse@corporesanocaxias.com.br
Site: www.corporesanocaxias.com.br
Face: www.facebook.com/clarisse.zanette
Instagran: @clarissezanette

25 de outubro de 2009

HIPERTENSÃO ARTERIAL

A hipertensão arterial ou "pressão alta" é a elevação da pressão arterial para números acima dos valores considerados normais (140/90mHg). Esta elevação anormal pode causar lesões em diferentes órgãos do corpo humano, tais como cérebro, coração, rins e olhos.
A maioria das pessoas não apresentam sintomas. Por isso é chamada de "doença silenciosa". A ausência de sintomas bem definidos retarda o diagnóstico da doença que, muitas vezes, é feito somente quando problemas mais sérios aparecem.
A Sociedade Brasileira de Hipertensão recomenda que a pressão arterial deve ser medida regularmente, no mínimo, uma vez por ano, inclusive por aqueles que não têm ou desconhecem ter a doença. A recomendação se aplica também às crianças, a partir dos três anos de idade. Já para os hipertensos, a verificação da pressão deve ser muito mais frequente para o controle adequado da doença.

Que fatores podem estar relacionados á pressão alta?
  • História familiar: Pessoas que têm familiares com pressão arterial elevada têm maior chance de serem hipertensas. Se for o seu caso comunique ao médico.
  • Idade: Pressão alta ocorre na maioria dos casos em pessoas acima de 35 anos. O risco aumenta com a idade.
  • Raça: A pressão alta é mais comum em pessoas de raça negra do que nas de raça branca.
  • Sal: A ingestão excessiva de sal predispõe ao aumento da pressão arterial, por reter líquidos e dilatar o vaso sanguíneo.
  • Obesidade: Pessoas com excesso de peso têm maior probabilidade de desenvolver a hipertensão. Procure saber qual é seu peso normal em relação a sua idade, altura e sexo e, se você estiver acima deste peso, consulte seu médico e nutricionista sobre um programa de exercícios e dieta adequada para uma perda gradual de peso.
  • Diabetes: Pessoas com diabetes muitas vezes também sofrem de hipertensão. Esta combinação aumenta o risco de doenças cardíacas e renais.
  • Abuso de álcool: Estudos demonstraram que o abuso de álcool pode estar associado à pressão alta. O significado de "abuso" pode diferenciar de pessoa para pessoa, dependendo do peso, hábitos alimentares e hereditariedade. De qualquer maneira recomenda-se moderação.
  • Vida sedentária: Um estilo de vida sem exercícios regulares aumenta a probabilidade de excesso de peso, significando um fator de risco para o desenvolvimento da hipertensão.
  • Cigarro: O hábito de fumar é um fator de contribuição para elevar a pressão arterial.

Controlando e Prevenindo a Hipertensão Arterial

DICAS DE NUTRIÇÃO


  • Siga uma dieta balanceada;
  • O hipertenso deve diminuir a quantidade de sal nos alimentos. O ideal são 2 colheres de café de sal por dia (2g) e o restante de sódio que já está embutido nos alimentos in natura. Pode ser difícil no começo, mas em aproximadamente 3 semanas o seu paladar estará acostumado aos sabores naturais dos alimentos;
  • Uma dica é usar e abusar das ervas e especiarias para dar sabor aos alimentos como: alho, ervas, salsinha, cebola, cebolinha, orégano, hortelã, limão, manjericão, gengibre, coentro e cominho;
  • Nunca levar saleiro à mesa;
  • Evite temperos industrializados como ketchup, mostarda, molho shoyu, sazon e caldos carne e galinha concentrados. Atenção para o aditivo glutamato monossódico, utilizado em alguns condimentos e nas sopas de pacote;
  • Cuidado com as conservas como picles, azeitona, aspargo, patês e palmito, enlatados como extrato de tomate, milho e ervilha – alimentos conservados em sal e os salgadinhos como batata frita, amendoim salgado;
  • Evite carnes salgadas como bacalhau, charque, carne-seca e defumados;
  • Verifique sempre o rótulo dos alimentos e evite aqueles que possuam uma grande quantidade de sódio;
  • Aumentar o consumo de fibras e grãos integrais (como frutas, verduras, legumes, leguminosas (feijões), cereais integrais como arroz e pão integral e farinhas de aveia, trigo, linhaça,...
  • Alimentos ricos em ômega 3 ajudam no controle da hipertensão, então aumente o consumo de peixes como salmão, sardinha, atum, óleo de canola e linhaça;
  • Reduzir o consumo de álcool. A recomendação médica é a seguinte: para os consumidores de álcool, a ingestão de bebida alcoólica deve ser limitada a 30g álcool/dia contidas em 600 ml de cerveja ou 250 ml de vinho ou 60ml de destilados. Este limite deve ser reduzido à metade para homens de baixo peso, mulheres e indivíduos com sobrepeso e/ou triglicérides elevados;
  • Aumente o consumo de alimentos ricos em potássio: Estudos indicam que o aumento do consumo de potássio ajuda na redução da pressão arterial e preserva a circulação cerebral;
  • Aumentar o consumo de vegetais crus, pois com o cozimento há uma grande perda do potássio dos alimentos. Alimentos ricos em potássio: frutas secas, melão, mamão, banana, feijão, lentilha, cenoura, laranja, beterraba, tomate, batata, água de côco e vegetais de cor verde escuro;
  • Faça exercícios físicos sob orientação médica;
  • Evite a tensão. Enfrente melhor sua vida.


8 de outubro de 2009

Obesidade Infantil




O que é a Obesidade?

É uma doença crônica que se caracteriza pelo acúmulo de gordura excessiva, que pode comprometer a saúde. Ela é o resultado a alta ingestão de calorias em relação ao gasto energético. É considerada um problema de saúde publica, uma vez que o número de indivíduos com excesso de peso tem aumentado significantemente nas últimas décadas. Nos dias de hoje, o aumento da obesidade infantil, tem nos chamado a atenção, ela já chega a 10% das crianças no Brasil.

Uma das causas da obesidade infantil é a alta ingestão de produtos calóricos, como fast foods e a falta de exercícios físicos diários. O excesso de peso nas crianças pode levar ao aumento do colesterol total, do LDL (colesterol ruim), triglicerídeo, diminuir o HDL (colesterol bom), pressão alta, problemas nos ossos e diabetes melito.
A perda de peso melhora os níveis de colesterol e triglicerídeos, diminuindo o risco de doenças cardiovasculares na fase adulta.

A solicitação de exames em crianças e adolescentes, não é de rotina em consultórios, mas se temos algum fator de risco deve ser realizada, assim com a verificação da pressão arterial. É preciso prevenir a obesidade desde a infância, através de um estilo de vida saudável. Então segue algumas dicas:

  • Sempre estabelecer horários para as refeições.
  • Não oferecer alimentos fora de hora.
  • Desde cedo a criança deve ser estimulada a consumir frutas e verduras, para que a criança se habitue a comê-los sem rejeição.
  • Sempre oferecer legumes e verduras coloridas, pois garante a quantidade de vitaminas e minerais necessárias.
  • Modere o tamanho das porções que você oferece a ela.
  • Não force a criança a “raspar” o prato. Ela deve aprender a regular sua fome e a quantidade de alimento do que necessita.
  • Água e o leite devem ser os líquidos fundamentais.
  • Evite sucos e refrigerantes.
  • Prefira o consumo de frutas in natura, do que sucos. E sempre sem adição de açúcar.
  • Estimule a criança desde cedo a praticar atividades físicas (jogar bola, andar de bicicleta).
  • Não permita que a criança fique mais de 2 horas por dia realizando atividades sedentárias (vendo televisão, jogando vídeo game ou no computador).

Procure um nutricionista e saiba como evitar a obesidade infantil em sua casa!

SÍNDROME METABÓLICA NA INFÂNCIA


A Síndrome metabólica é definida como a união de fatores de risco para doença cardiovascular, sendo incluídas seguintes alterações: obesidade abdominal, hipertensão arterial, triglicerídeos elevados, baixo HDL (colesterol bom) e diabetes mellitus ou resistência à insulina. A definição para adultos segundo diretrizes brasileiras, o indivíduo que apresentar 3 ou mais critérios citados à cima, é considerado portador da Síndrome Metabólica.
Na faixa etária pediátrica não há uma definição amplamente aceita de Síndrome Metabólica, dificultando a comparações das prevalências.
A prevalência da Síndrome Metabólica na infância é menor que em adultos, variando de 6% a 10%, apresentando maior prevalência em crianças obesas 42%. Como não há um consenso na definição da Síndrome Metabólica, os dados de sua prevalência variam de acordo com o critério utilizado.
Juntamente com a Síndrome Metabólica e resistência à insulina algumas alterações de pele podem estar associadas (estrias, acantose nigricans, acne), alta estatura, irregularidade menstrual, síndrome de ovários policísticos, pubarca precoce, alterações no metabolismo do colesterol.
A resistência à insulina é avaliada com um exame de sangue, identificada pela dosagem de insulina e glicose de jejum e após calculada através do cálculo do HOMA-ir.
A prevenção da Síndrome Metabólica começa durante a gestação, garantindo um acompanhamento adequado do crescimento fetal, para evitar as causas de restrição de crescimento intrauterino e prematuridade.
As crianças que nascem pequenas para idade gestacional são as de maior fator de risco para Síndrome Metabólica. Após o nascimento o aleitamento materno é fator protetor contra o ganho de peso excessivo, sendo que para cada mês de aleitamento materno há redução de 4% de risco de obesidade. Além do aleitamento materno, a introdução adequada da alimentação complementar também é importante na redução de riscos de obesidade e Síndrome Metabólica.
A alimentação adequada e a prática regular de atividade física são fundamentais na prevenção de doenças crônicas.
Portanto, para evitar as complicações das doenças crônicas, é importante a prevenção desde a infância. Devemos sempre incentivar o aleitamento materno e a introdução adequada da alimentação complementar, tanto em quantidade quanto na qualidade.

Fonte: Nestlé Nutrition Institute. Proteína e Síndrome Metabólica em crianças e adolescentes.

1 de outubro de 2009

DIA DO IDOSO 1 DE OUTUBRO!!!


Hoje é dia do Idoso. Falar das pessoas idosas é um belo tema, aliás, eu não diria Idoso, diria MELHOR IDADE!
Aqueles que chegaram na MELHOR IDADE são aqueles que durante uma longa jornada adquiriram muitas experiências e podem contribuir muito para a nossa sociedade.

Às vezes eu fico pensando porque deveria ter um estatuto do idoso? Para termos leis onde devemos amparar, ajudar, não discriminalizar, dar direitos de cidadania, um lugar na fila privilegiado para idosos,... Enfim há um Estatuto para mostrar as pessoas que devemos respeitar os idosos, mas se parássemos para pensar nós seremos ESTE IDOSO de amanhã. Então não respeito somente este idoso porque há uma lei, mas respeite para dar exemplos as crianças e jovens para que nos respeitem no dia de amanhã!

Vamos abraçá-los, parabenizá-los e NUTRIR de amor, pois um dia chegaremos na Melhor Idade é só uma questão de tempo e experiência.
PARABÉNS A TODOS OS IDOSOS!


IDADE NÃO É NADA, RESPEITO É TUDO!
RESPEITE O IDOSO!

NUTRIÇÃO NA TERCEIRA IDADE




Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), idoso é todo indivíduo que ultrapasse aos 65 anos.
O número de idosos está crescendo a cada ano, a grande preocupação atual é dar uma qualidade de vida os idosos. O planejamento das necessidades nutricionais do idoso é um desafio e uma arte de despertar o apetite, e deve basear-se no peso, no tipo e intensidade da atividade física e nas patologias associadas.

O idoso com o passar do tempo começa a perder peso e entre as principais causas que levam o idoso à perda de peso e à desnutrição estão as alterações fisiológicas do envelhecimento, as enfermidades crônicas e fatores relacionados à situação social do idoso. Com relação às alterações fisiológicas, sabe-se que o envelhecimento leva a reduções na capacidade funcional. Mastigação e deglutição prejudicados, falta de dentes, entre outros fatores, levam o idoso a uma ingestão nutricional deficiente.
As doenças crônicas, que muitas vezes são decorrentes de uma má alimentação na vida adulta, são também citadas como fatores que levam o idoso à desnutrição.
O uso de múltiplos medicamentos, os quais influenciam a ingestão de alimentos, a digestão, absorção e utilização dos diversos nutrientes, pode comprometer o estado de saúde e o requerimento nutricional do idoso.
Fatores sociais como a perda do cônjuge, isolamento social e depressão, podem interferir amplamente. O modo de vida, geralmente solitário da maioria dos idosos, impõe-lhes muitas limitações, fazendo com que se alimente mal e pouco. Nesses casos, há uma tendência ao desestímulo para preparar alimentos variados e nutritivos. Verifica-se, com freqüência, elevado consumo de produtos industrializados como doces e massas, ou de fácil preparo como chás e torradas, o que afeta a adequação de nutrientes ao organismo e o coloca em risco de má-nutrição. Estes fatores podem vir asociado com uma deficiência de vitaminas e minerais.

Como envelhecer com saúde e disposição veja algumas dicas:

· O idoso deve alimentar-se de 4 a 6 vezes por dia, incluir alimento de todos os grupos (lipídios, proteínas, carboidratos, fibras, vita­minas e sais minerais) e os alimentos devem ser nutritivos, saborosos e agradáveis de comer.
· A ingestão de água é fundamental para manutenção do organismo. A quantidade adequada é, no mínimo, 8 copos de água por dia.
· Consumir fibras para manter um bom funcionamento intestinal, além de auxiliarem na prevenção e tratamento de doenças como câncer do intestino grosso e no controle do colesterol alto. Os alimentos ricos em fibras também diminuem a sensação de fome. As fibras são encontradas nos vegetais, frutas (com casca), cereais integrais, pão integral, etc.
· Para evitar a constipação, aumentar a ingestão de água, comer fibras e praticar exercícios. Alimentos com poder laxativo: Yakult, ameixa em água, banana nanica, laranja com bagaço, mamão, abacate, entre outros.
· Os alimentos devem ser bem mastigados, facilitando sua digestão e aumentando o aproveitamento dos nutrientes. Não esqueça: o açúcar deve ser ingerido com moderação.
· Para prevenir a osteoporose, comer alimentos fontes de cálcio, principalmente leite e seus derivados (queijo, iogurte, coalhada), feijão, soja, vegetais verdes escuros, folha da beterraba, nabo...É importante lembrar que o abandono do cigarro, álcool e café é fator que contribui para a prevenção da osteoporose.

Para a mais informações consulte um nutricionista!